A ASSOCIAÇÃO NOTÍCIAS SERVIÇOS E BENEFÍCIOS PUBLICAÇÕES



ATUALIDADE

28/07/2014


Eleição para governador tem 171
candidatos em todo o Brasil

No dia 5 de outubro, mais de 141 milhões de eleitores devem comparecer às urnas para eleger os governadores de seus Estados. De acordo com o TSE, 171 candidatos vão concorrer a 27 vagas de governador – com uma concorrência de 6,3 candidatos por vaga.

Nas eleições deste ano, cinco cargos estão em disputa. Além de governador, o eleitor brasileiro poderá eleger presidente, senador, deputado federal e deputado estadual (ou distrital, no caso do Distrito Federal).

De acordo com a Justiça Eleitoral, dos 171 candidatos ao governo dos Estados, 42 (24,5% do total) tem entre 50 e 54 anos e 79,5% (136) concluíram curso superior. A profissão mais comum entre os candidatos é a de advogado. O partido que mais indicou candidatos aos governos estaduais é o Psol (27), seguido pelo PMDB (18) e pelo PT (17).

O governador do Estado é a autoridade máxima do Poder Executivo local. Além das funções burocráticas, como sancionar, promulgar leis e nomear os secretários, o governador deve formular políticas públicas para melhorar a vida da população nas áreas de saúde, educação e saneamento, por exemplo.


Fonte: www.terra.com.br


ATUALIDADE

21/07/2014


Proposta de rodízio ampliado divide
opinião de paulistanos, diz Datafolha

Prefeitura adotou, em caráter experimental medida durante
jogos da Seleção Brasileira durante a Copa do Mundo

Pesquisa Datafolha divulgada nesta segunda-feira (21) aponta que 49% dos paulistanos aprovam o rodízio de veículos durante todo o dia. A prefeitura adotou a medida em cinco jogos da Seleção Brasileira durante a Copa do Mundo par aevitar caos no trânsito. A proposta amplia o horário de restrição das 7h até as 20h.

A pesquisa apontou que 45% dos paulistanos são contra. A margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos, o que indica um empate técnico. Outros 5% disseram que são indiferentes e 2% não souberam opinar.

Atualmente, os carros não podem circular das 7h às 10h e das 17h às 20h no centro expandido, de acordo com o final numérico da placa.

O rodízio em duas vezes por semana nos mesmo horário atual também dividiu a opinião dos paulistanos. Segundo a pesquisa, 45% disseram que são a favor da medida, enquanto 48% são contra.

Pedágio Urbano

O pedágio urbano não é aprovado por 76% dos paulistanos. Nesta proposta, o motorista teria que pagar um pedágio para circular com o carro no centro expandido da capital.

Para 57%, diz a pesquisa, o pedágio não conseguiria melhorar o trânsito, 22% dizem que a situação talvez melhorasse o trânsito e apenas 17% acreditam que a medida resolveria os congestionamentos. Outros 4% não souberam responder.

O levantamento foi realizado entre os dias 15 e 16 de junho com 1.047 pessoas.


Fonte: ultimosegundo.ig.com.br


ATUALIDADE

11/07/2014


Seminário entre Comando Nacional e
Fenaban vai debater novas tecnologias

No próximo dia 17 de julho, das 14h às 18h, será promovido um seminário entre o Comando Nacional dos Bancários, coordenado pela Contraf-CUT, e a Fenaban para debater as novas tecnologias e o impacto no emprego e no atendimento bancário. A realização do evento foi um compromisso assumido pelos bancos durante as negociações da Campanha Nacional 2013 e ocorrerá no Hotel Intercontinental (Alameda Santos, 1123), em São Paulo.

Estarão em discussão as mudanças tecnológicas em andamento no setor financeiro, especialmente a implantação dos meios eletrônicos de pagamento e a regulamentação do mobile banking no Brasil, já vigente em países como África do Sul, Quênia, Filipinas e Japão.

"Queremos debater todas as implicações das novas tecnologias, sobretudo em relação à segurança do sistema e os impactos no emprego e no atendimento bancário", afirma Carlos Cordeiro, presidente da Contraf-CUT e coordenador do Comando Nacional. "A quem esse modelo beneficiará?", questiona.

"Nos últimos meses, a imprensa tem divulgado as cifras bilionárias que envolvem os pesados investimentos feitos pelos bancos e empresas de telecomunicações para atuarem nesse novo nicho de mercado. Em nenhum momento, porém, os trabalhadores e as entidades de proteção dos direitos dos consumidores foram ouvidos sobre as consequências no emprego e os custos no atendimento dos clientes", critica Carlos Cordeiro.

"Precisamos dialogar sobre essas mudanças no mundo do trabalho, buscando proteger o emprego dos bancários e garantir condições dignas de trabalho para todos, bem como contrapartidas sociais para os clientes diante dos novos ganhos dos bancos", aponta o dirigente sindical.


Fonte: www.contrafcut.org.br


ATUALIDADE

24/06/2014


Lei que estabelece Marco Civil da Internet
entra em vigor nesta segunda

Começam a valer nesta segunda-feira (23) as novas regras para o uso da internet no Brasil. A Lei 12.965/14, conhecida como Marco Civil da Internet, é uma espécie de constituição do setor, que estabelece os direitos e deveres de usuários e de provedores de internet no país. Após aprovação na Câmara dos Deputados e no Senado, a lei foi sancionada pela presidenta Dilma Rousseff e publicada no dia 24 de abril, com prazo de 60 dias para entrada em vigor.

Vários pontos da lei vão precisar de regulamentação. Em entrevista logo após a sanção da lei, a presidenta disse que tudo será discutido com a sociedade.

Para os usuários, uma das principais novidades será a neutralidade de rede, ou seja, a garantia de que o tráfego terá a mesma qualidade e velocidade, independentemente do tipo de navegação. O usuário não poderá ter sua velocidade reduzida de acordo com o uso e as empresas não podem, por exemplo, diminuir a velocidade de conexão para dificultar o uso de produtos de empresas concorrentes.

Outro direito dos usuários é relacionado à privacidade. Segundo a nova lei, informações pessoais e registros de acesso só poderão ser vendidos se o usuário autorizar expressamente a operação comercial. Atualmente, os dados são coletados e vendidos pelas empresas, que têm acesso a detalhes sobres as preferências e opções dos internautas.

Outra mudança: atualmente, as redes sociais podem tirar do ar fotos ou vídeos que usem imagens de obras protegidas por direito autoral ou que contrariam regras das empresas. Com o marco civil, as empresas não podem retirar conteúdo sem determinação judicial, a não ser em casos de nudez ou de atos sexuais de caráter privado. O provedor não pode ser responsabilizado por conteúdo ofensivo postado em seu serviço pelos usuários. O objetivo é garantir a liberdade de expressão dos usuários e impedir a censura.

O Marco Civil também determina que os registros de conexão dos usuários sejam guardados pelos provedores durante um ano, sob total sigilo e em ambiente seguro. A lei também garante a não suspensão da conexão à internet, salvo por débito, e a manutenção da qualidade contratada da conexão à internet.

"O Brasil saiu na frente de vários países dando exemplo de como regulamentar essas decisões de maneira equilibrada entre os vários interesses e potos de vista sobre essa questão", diz Nejm, diretor da SaferNet Brasil, organização não governamental (ONG) que atua na pesquisa e prevenção de crimes da internet.

Apesar de destacar todos os pontos positivos da norma, Nejm ressalta que o grande desafio, a partir de agora, fazer com que lei não fique só no papel. "Ainda tem uma lacuna importante na estrutura das policias especializadas, a carência de infraestrutura é grande", destaca.

Hoje, segundo levantamento da SaferNet, só o Distrito Federal e os estados de Goiás, São Paulo, Rio de Janeiro, Pará, Paraná, Rio Grande do Sul, Espírito Santo, Minas Gerais, Pernambuco e Mato Grosso do Sul tem delegacias especializadas. "Na Polícia Federal, a estrutura também é precária para a demanda. Falta estrutura para oferecer ao cidadão um atendimento adequado", diz Nejm. A morosidade da Justiça também preocupa já que, segundo a ONG, com exceção de casos de nudez, julgamentos de processos por calúnia e difamação, por exemplo, pode demorar anos.

"Em um dia de exposição, o dano é imensurável e o tempo de resposta na Justiça não é tão rápido. O dano sempre é maior que a reparação", acrescentou.

Para reduzir o número de crimes na internet, a SaferNet Brasil aposta na prevenção. A novidade neste sentido é que o Artigo 26 do Marco Civil, de forma inédita no Brasil, estabelece que é dever do Estado promover a educação para o uso seguro e responsável da internet em todos os níveis de ensino.

"Para nós, isso é muito importante. Mais que a questão de segurança, queremos discutir a cidadania digital: ética, direitos humanos, respeito por direitos e deveres, e não falar só sobre perigos na internet", concluiu. A ONG preparou vasto material sobre o assunto que pode ser acessado gratuitamente e usado por escolas.

Fonte: www.contrafcut.org.br



ATUALIDADE

10/06/2014


Mercado faz terrorismo, mas salários
precisam continuar crescendo, diz Dieese


É uma grande mentira que a situação econômica do Brasil seja caótica e a inflação esteja fora de controle, como prega o terrorismo conduzido pelos economistas de mercado e pela grande mídia. A inflação está sob controle e o Brasil cresce mais que a média das grandes economias mundiais. O que está na verdade em disputa é a participação do capital e do trabalho sobre a riqueza do país. O movimento sindical, portanto, precisa continuar lutando por aumentos de salários e investimentos em políticas sociais que favoreçam o crescimento econômico e a distribuição de renda.

Essa foi, em síntese, a opinião do economista Airton dos Santos, coordenador de Atendimento Técnico e Sindical do Dieese, apresentada neste sábado 7 de manhã durante a discussão da conjuntura econômica, no segundo dia do 25º Congresso Nacional dos Funcionários do Banco do Brasil, que está sendo realizado no hotel Holiday Inn, em São Paulo.

Airton lembrou que o Orçamento Geral da União (OGU) de 2013 destinou R$ 718 bilhões, ou 40,30% do total, para pagamento de juros e amortização da dívida pública, contra 24,11% para a previdência social. "Esse é o valor que os rentistas, que vivem às custas dos juros pagos pelo Tesouro Nacional, receberam ano passado".

Com o aumento da taxa Selic, no Orçamento previsto para 2014 o pagamento de juros e amortização da dívida pública subiu para R$ 967 bilhões, ou 32,04% do total, enquanto os investimentos com previdência social caíram para 19,87%.

"Esse dinheiro sai do Tesouro. Quanto mais vai para os rentistas, mais aumenta a concentração da renda no Brasil", afirmou o economista do Dieese. Os bancos são detentores de aproximadamente 30% dos títulos da dívida pública.

Airton dos Santos ressaltou que o Produto Interno Bruto (PIB) precisa continuar crescendo para que o país continue distribuindo renda e melhorando os serviços básicos oferecidos à população.

História pra boi dormir

"Existe uma campanha hoje na mídia, dos formadores de opinião, contra a política do salário mínimo, afirmando que ela não é boa para o Brasil", disse Airton. "Mas é essa política do salário mínimo, conquistada pelo movimento sindical, junto com o Bolsa Família, com os ganhos reais de salários, é que tem sustentado o mercado interno. Hoje o que o Brasil cresce se deve muito ao mercado interno, às políticas sociais do governo."

Para o economista do Dieese, o movimento sindical precisa ficar atento "porque nenhum candidato vai falar que vai acabar com a política do salário mínimo, mas tem gente querendo mexer, modificar, que os reajuste sejam menores. Para mim deve ser um ponto de honra do movimento sindical defender essa política do salário mínimo, porque ela ajuda a puxar para cima os salários dos trabalhadores. Então tem que defender com unhas e dentes essa política e não acreditar nessa história de que causa inflação. Essa história é para boi dormir".

'Assistência social deu salto grande'

Apesar do alto valor pago aos rentistas, o economista do Dieese afirmou que a assistência social no país deu um grande salto. Nesse sentido, ele ressaltou que diversos países tentam copiar o Sistema Único de Saúde (SUS) brasileiro. "Às vezes funciona e às vezes não funciona", observou, ao reconhecer as deficiências do sistema.

Ainda sobre o SUS, ele destacou que os Estados Unidos não conseguiram viabilizar um programa de saúde gratuito para a população norte-americana, mesmo diante de um PIB de mais de US$ 16 trilhões. "E o Brasil, com um PIB de R$ 4,84 trilhões, oferece um plano da proporção do SUS a todos os brasileiros", observou ele, citando que o SUS consegue suprir, inclusive, serviços negados pelos planos privados.

Fonte: www.contrafcut.org.br



Créditos: Contraf-CUT
ATUALIDADE

23/05/2014


Bancos eliminam 2.567 empregos nos
primeiros quatro meses de 2014


O sistema financeiro fechou 2.567 postos de trabalho de janeiro a abril de 2014. Enquanto os bancos privados e o Banco do Brasil cortaram postos de trabalho, a Caixa Econômica Federal abriu 1.256 vagas no mesmo período, o que evitou um resultado ainda pior para o nível de emprego no setor.

A redução de empregos nos bancos contraria o movimento da economia brasileira, que gerou 458.145 novos empregos formais nos primeiro quadrimestre do ano.

Os dados constam na Pesquisa de Emprego Bancário (PEB) divulgada nesta quinta-feira (22) pela Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), que faz o estudo em parceria com o Dieese, com base nos números do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).

Clique aqui para acessar as tabelas e gráficos da pesquisa.

Conforme o estudo, além da diminuição de vagas, a rotatividade permaneceu alta no período. Os bancos brasileiros contrataram 11.080 funcionários e desligaram 13.647.

Um total de 15 estados apresentaram saldos negativos de emprego. Os maiores cortes ocorreram em São Paulo, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro e Minas Gerais, com 1.301, 381, 362 e 251 cortes, respectivamente. O estado com maior saldo positivo foi o Pará, com geração de 128 novos postos.

"Apesar dos lucros bilionários, os bancos brasileiros, especialmente os privados, seguem fechando postos de trabalho em 2014, a exemplo dos últimos meses de 2013, o que é injustificável. No ano passado, os seis maiores bancos (BB, Itaú, Bradesco, Caixa Econômica Federal, Santander e HSBC) lucraram R$ 56,7 bilhões", afirma Carlos Cordeiro, presidente da Contraf-CUT.

Para ele, "banco que não cria empregos anda na contramão da economia do país, prejudica os bancários, piora o atendimento dos clientes e da população e não contribui para o crescimento com distribuição de renda".

Rotatividade derruba salários dos bancários

A pesquisa mostra também que o salário médio dos admitidos pelos bancos nos primeiros quatro meses do ano foi de R$ 3.221,18 contra o salário médio de R$ 5.206,73 dos desligados. Assim, os trabalhadores que entraram nos bancos receberam valor médio equivalente a 61,9% da remuneração dos que saíram.

"Os bancos privados continuam praticando a maldita rotatividade, um instrumento perverso utilizado para reduzir a massa salarial e aumentar ainda mais os lucros", aponta o presidente da Contraf-CUT. "Nos últimos dez anos, os bancários conquistaram aumentos reais consecutivos, mas esses ganhos foram corroídos pela rotatividade, reduzindo o crescimento da renda da categoria", denuncia.

Para Cordeiro, "os números da nova pesquisa reforçam cada vez mais a certeza dos bancários de ampliar a luta contra as demissões e pelo fim da rotatividade, por mais contratações e contra o PL 4330 da terceirização, como forma de proteger e ampliar o emprego da categoria e da classe trabalhadora".

Desigualdade entre homens e mulheres

A pesquisa revela também que as mulheres, ainda que representem metade da categoria, continuam sendo discriminadas pelos bancos na sua remuneração, ganhando menos do que os homens quando são contratadas. Essa desigualdade permanece ao longo da carreira, pois a remuneração das mulheres é bem inferior à dos homens no momento em que são desligadas do seu posto de trabalho.

Enquanto a média dos salários dos homens na admissão foi de R$ 3.660,01 de janeiro a abril deste ano, a remuneração das mulheres ficou em R$ 2.776,30, valor que representa 75,9% da remuneração de contratação dos homens.

Já a média dos salários dos homens no desligamento foi de R$ 6.027,18 enquanto a remuneração das mulheres foi de R$ 4.333,27. Isso significa que o salário médio das mulheres no desligamento equivale a 71,9% da remuneração dos homens.

"Essa discriminação é inaceitável e fortalece ainda mais a luta da categoria por igualdade de oportunidades na contratação, na remuneração e na ascensão profissional", ressalta Cordeiro.

Maior concentração de renda nos bancos

A pesquisa reforça ainda a luta dos bancários por distribuição de renda. Enquanto no Brasil, os 10% mais ricos no país, segundo estudo do Dieese com base no Censo de 2010, têm renda média mensal 39 vezes maior que a dos 10% mais pobres, no sistema financeiro a concentração de renda é ainda maior.

No Itaú, cada membro do Conselho de Administração recebeu, em média, R$ 15, 5 milhões em 2013, o que representa 318,5 vezes o que ganhou o bancário do piso salarial. No Santander, cada diretor embolsou, em média, R$ 7,7 milhões no mesmo período, o que significa 158,2 vezes o salário do caixa. E no Bradesco, que pagou, em média, R$ 13 milhões no ano para cada diretor, a diferença para o salário do caixa foi de 270 vezes.

Desta forma, para ganhar a remuneração mensal de um desses executivos, o caixa do Itaú tem que trabalhar 26,5 anos, o caixa do Santander 13 anos e o do Bradesco 22,5 anos.

"Essa distância que separa os ganhos dos altos executivos e os salários dos bancários atenta contra a justiça social e a dignidade dos trabalhadores, bem como contribui para a vergonhosa posição do Brasil entre os 10 países mais desiguais do planeta", conclui o presidente da Contraf-CUT.
Fonte: www.contrafcut.org.br




ATUALIDADE

15/05/2014


Governo prepara projeto sobre subsídios para aviação

BRASÍLIA - O governo deve apresentar em breve ao Congresso Nacional um projeto de lei tratando de subsídios para a aviação regional, especialmente para diminuir o preço do combustível. O ministro da secretaria de Aviação Civil, Moreira Franco, anunciou a proposta nesta quarta-feira, 14, durante audiência pública sobre as obras aeroportuárias no Senado. "A composição técnica desse subsídio ainda está em estudo, mas um componente muito forte é o preço dos combustíveis, que tem um peso muito alto. Vamos fazer com que para os voos regionais possamos ter uma condição de dar ao brasileiro a condição de se locomover por esse modal com eficiência", disse.O subsídio, segundo o ministro, é parte de uma estratégia para estimular a aviação regional que já conta com a criação do Fundo Nacional de Aviação Civil (Finac), que será abastecido parcialmente com recursos de futuras concessões de aeroportos. O ministro inclui na estratégia o aporte de R$ 1 bilhão para recuperar aeroportos regionais, como parte do programa que inclui 270 terminais no interior do País. "O Brasil, na realidade, tem em torno de 700 aeroportos. Mas operando, funcionando, tem apenas 120 aeroportos", observou.
Fonte: www.estadao.com.br




ATUALIDADE

02/05/2014


Dilma diz que vai 'tocar' candidatura
'em frente' mesmo sem apoio da base

Presidente foi indagada sobre adesão de aliados ao movimento 'Volta, Lula'.
Chefe do Executivo deu entrevista nesta quarta (30) a rádios de Salvador.


Diante da pressão de aliados para que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva dispute a eleição deste ano, a presidente Dilma Rousseff afirmou nesta quarta-feira (30) que vai "tocar em frente" sua candidatura pela reeleição mesmo sem o apoio dos partidos governistas.

Dilma concedeu entrevista às rádios Metrópole e Tudo, de Salvador, e comentou sobre a intensificação do movimento "Volta, Lula" após ter sido questionada sobre o "fogo amigo".
"Este é um ano eleitoral. Em um ano eleitoral, é possível que ocorram todas as hipóteses que você conceber e ainda aquelas que você não conceber [...] Gostaria muito que, quando eu for candidata, eu tivesse o apoio da minha própria base. Agora, não havendo esse apoio, a gente vai tocar em frente", declarou.

Na segunda-feira (28), a bancada do PR na Câmara dos Deputados, integrante da base governista, anunciou apoio ao movimento "Volta, Lula", que tem adeptos no PT e defende que o ex-presidente concorra ao pleito daqui a cinco meses.
Na ocasião, o líder do PR, deputado Bernardo Santana (MG), leu um manifesto assinado por 20 dos 32 deputados federais do partido. Nele, a bancada "reivindica" o retorno de Lula. Segundo Santana, se o PT mantiver Dilma como candidata, os deputados pretendem reavaliar o apoio ao partido aliado na convenção nacional do PR.

Questionada sobre a pressão de parte da base governista, Dilma afirmou que sua preocupação é "governar o país".

"Sempre, por trás de todas as coisas, existem outras explicações. Não vou me importar com isso [a crise com a base aliada]. Daqui até o final do ano, tenho uma atividade importante para fazer. Não posso me desligar nem um pouco dela: é governar este país", ressaltou a presidente.

Fonte: www.g1.globo.com




ATUALIDADE

07/04/2014


No Dia Mundial da Saúde, Contraf-CUT alerta para adoecimento de bancários

Para milhares de trabalhadores, a imposição de metas a serem cumpridas já ultrapassou o limite da tolerância e virou problema sério de saúde. Nesta segunda-feira, 7 de abril, quando se comemora o Dia Mundial da Saúde, a Contraf-CUT alerta para o adoecimento e bancários e chama a atenção para o aumento dos casos de depressão na categoria, causados pela rotina estressante de trabalho nos bancos.

Os números são alarmantes.

Em 2013 foram 18.671 afastamentos de bancários por problemas de saúde. Do total de auxílios-doença acidentários concedidos pelo INSS, 52,7% tiveram como causas principais os transtornos mentais e as doenças do sistema nervoso. Isso significa dizer que, de cada dez bancários doentes, cinco foram por depressão.

As doenças relacionadas à saúde mental já superam as do sistema osteomuscular e do tecido conjuntivo, as chamadas LER/Dort, que totalizaram, no ano passado, 4.589 afastamentos computados pelo INSS.

Segundo Walcir Previtale, secretário de Saúde do Trabalhador da Contraf-CUT, os bancários sofrem no ambiente de trabalho com o esgotamento físico e mental ao longo de jornadas extenuantes, sem pausas para descanso e pressionados por um ritmo intenso de trabalho cada vez mais acelerado.

"São metas de produção inalcançáveis e sempre crescentes. Os bancários ainda convivem com o risco de assaltos e sequestros, sendo levados a dar conta de inúmeras tarefas", afirma o dirigente sindical.

Menos Metas, Mais Saúde
A médica sanitarista e pesquisadora da Fundacentro, Maria Maeno, aponta que as formas de gestão e administração adotadas pelos bancos causam um ambiente de trabalho adoecedor.

"Efeitos negativos de médio e longo prazo são desconsiderados em nome de resultados rápidos e é neste contexto que ocorrem as situações de humilhações e assédio moral, algumas que se tornam conhecidas por serem objetos de processos judiciais. Em nome do cumprimento de metas cada dia mais altas e de outras exigências são praticadas formas humilhantes de gestão de maneira cada vez mais disseminadas", explica a médica.

Os bancários têm sido submetidos a uma avaliação individual de desempenho, utilizada largamente por todos os bancos, para medir quem bateu as metas impostas e expor aqueles que não conseguiram. "Somente o resultado é considerado pelos bancos, ou seja, a meta deve ser alcançada de qualquer maneira. Não há espaço para diálogo nos locais de trabalho para discutir as dificuldades de se atingir uma determinada meta", salienta Walcir.



Tratamento inadequado
A Organização Mundial de Saúde (OMS) revela que até 2020 a depressão passará da 4ª para a 2ª colocada entre as principais causas de incapacidade para o trabalho no mundo. Estima-se que 121 milhões de pessoas sofram com a depressão, sendo 17 milhões somente no Brasil e, segundo dados da OMS, 75% nunca receberam um tratamento adequado.

"O foco da prevenção de adoecimentos e da reabilitação profissional deve ser de mudança das condições de trabalho. A saúde do trabalhador não faz parte das preocupações centrais das empresas. Esse reconhecimento exigiria mudanças nos pilares sobre os quais o trabalho bancário é organizado. A incapacidade deve ser vista em relação às exigências do trabalho, mas outro problema é que esse aspecto não é comtemplado na avaliação pericial do INSS", alerta a pesquisadora da Fundacentro.

Reabilitação Profissional
Está aberta no Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) a consulta pública sobre reabilitação profissional. Até sexta-feira, dia 11 de abril, pessoas físicas e jurídicas, que estejam envolvidas com a temática, podem mandar contribuições para o projeto por meio do site do Ministério da Previdência Social.

A Contraf-CUT protocolou em Brasília, no último dia 26 de fevereiro, um requerimento endereçado ao presidente do INSS, Lindolfo Neto de Oliveira Sales, solicitando a participação dos trabalhadores nas discussões deste tema.

Entre as mudanças que o processo de reabilitação profissional pode trazer, o Walcir chama a atenção para os convênios exclusivos com as empresas. O INSS já vem firmando esses acordos, ferindo a legislação brasileira e internacional ao não garantir a participação dos trabalhadores, a exemplo da Convenção 159 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), que garante essa participação no seu artigo 5º. No novo projeto de reabilitação profissional do INSS, a exclusividade desses convênios ganha destaque.

"Foi a partir da constante interferência da Contraf-CUT que o INSS suspendeu o Acordo de Cooperação Técnica no Âmbito da Reabilitação Profissional com a Febraban em outubro do ano passado, que passava a reabilitação profissional para os bancos. O que vemos é que esses convênios sem a participação e acompanhamento do movimento sindical e dos próprios trabalhadores só geram mais obstáculos na recuperação do trabalhador", explica Walcir.

Mudanças no auxílio-doença preocupam trabalhadores
No requerimento enviado ao INSS, a Contraf-CUT também lista problemas que podem ser gerados pelo novo modelo de avaliação da capacidade do trabalhador, por meio da Nota Técnica de nº 04/2013/DIRSAT/INSS.

Entre as mudanças propostas, o trabalhador com afastamento de até 60 dias poderia ter o auxílio-doença concedido sem perícia médica. O atestado fornecido por qualquer médico que tenha assistido o trabalhador, da rede pública ou da rede privada, serviria de prova para o INSS conceder o benefício.

"Somos contra o projeto apresentado pelo INSS porque colabora para o aumento da subnotificação dos acidentes e doenças do trabalho, uma vez que a proposta facilita a concessão dos benefícios previdenciários e dificulta, e muito, a concessão dos benefícios acidentários", alerta Walcir.

Segundo o INSS, um dos objetivos é descentralizar a concessão do auxílio-doença das mãos dos peritos médicos e dar mais rapidez para o recebimento do benefício. Mas pesquisadores da área da saúde também têm se posicionado contrários ao projeto, como a Fundacentro. Entre os riscos, menos segurados seriam encaminhados à reabilitação profissional do que atualmente, com o agravante do trabalhador ter complicações no quadro clínico e reflexos até irreversíveis.

"Para melhoria da saúde dos trabalhadores, é preciso a participação dos empregados no processo que define a organização do trabalho, prevendo a intervenção nos ambientes inadequados. Tudo passa pela democratização das relações de trabalho no Brasil, garantindo o cumprimento das convenções da OIT. Porém, não basta o que está escrito. Temos que impulsionar uma luta para fazer valer o que está previsto e mudar, em profundidade, a organização do trabalho nos bancos, razão do adoecimento dos bancários", conclui Walcir. Fonte: Contraf-CUT



Imagem: Globo G1

ATUALIDADE

07/04/2014


Europa lança 1º satélite que vai "vigiar"
o meio ambiente contra desastres

Projeto espacial bilionário é da Agência Espacial Europeia. Sentinel-1a poderá mapear todo o planeta Terra em período de 3 a 6 dias.


A Agência Espacial Europeia (ESA, na sigla em inglês) lançou nesta quinta-feira (3) o primeiro satélite que servirá de "guardião" do meio ambiente, segundo a agência de notícias Reuters.

O Sentinel-1a (ou Sentinela-1a) foi lançado da Guiana Francesa e entrou em órbita com o objetivo de monitorar desastres ambientais na Terra, como gelo marítimo, vazamentos de óleo no mar e uso irregular de terra, e para responder a emergências como enchentes e terremotos.

O equipamento faz parte do projeto Terra de Copérnico, que vai custar à agência até 8,4 bilhões de euros (cerca de R$ 26,2 bilhões) e é considerado o programa de observação do meio ambiente mais ambicioso da história.

Ele vai substituir o satélite Envisat, que perdeu o contato com a Terra em 2012, depois de dez anos. O Sentinel-1a ganhará a companhia do Sentinel-1b, que deve ser lançado no ano que vem. Também estão previstos 17 outros lançamentos na próxima década.

Segundo os cientistas por trás do Sentinel-1a, a partir de agora será possível fazer um mapeamento do planeta inteiro a cada período de três a seis dias, uma significativa melhora em comparação ao Envisat.

"O maior avanço é que agora poderemos cobrir todos os pedaços da Terra a cada três a seis dias. Isso levava muito mais tempo com o Envisat", explicou Volker Liebig, diretor do programa de Observação da Terra da ESA. "Se você quiser usar as imagens para dar apoio durante a gestão de desastres ou para achar um avião, então você quer que as imagens sejam o mais recentes possível."

Liebig lembrou, porém, que isso não poderá ser eficaz em qualquer caso. Para usar as imagens dos satélites-vigia para buscar destroços de uma aeronave, é preciso ter uma ideia mínima de onde ela caiu. No caso do avião da Malaysian Airlines, que desapareceu no Oceano Índico, isso não seria possível.

As imagens geradas pelos Sentinelas poderão ser baixadas pela internet sem custos, o que quer dizer que as empresas poderão usá-las para ajudar a entregar dados a fazendeiros sobre a secura do solo ou infestações de pestes, auxiliar empresas petrolíferas a decidir onde cavar novos poços e facilitar a avaliação de riscos de seguradoras sobre enchentes e incêndios.

Fonte: www.g1.globo.com




ATUALIDADE

17/03/2014


Boas notas resultam em salário
maior, aponta pesquisa


Segundo a Fundação Itaú Social, esse é o primeiro estudo no Brasil que relaciona o impacto do desempenho escolar à remuneração na mercado de trabalho

A conclusão é da pesquisa "A Relação entre o Desempenho Escolar e os Salários no Brasil", divulgada na manhã desta terça-feira, 18, pela Fundação Itaú Social em São Paulo.

O estudo analisou a relação entre o desempenho escolar e os salários futuros para os jovens brasileiros das gerações nascidas em 1977-1978 e 1987-1988 e concluiu que um aumento de 10% na nota de proficiência em português no Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb) aumenta o salário cinco anos depois da conclusão do ensino médio em 5%.

Para o mesmo desempenho em matemática, o aumento salarial é de 4,6%. Além do Saeb, o estudo foi feito a partir de dados do Censo Demográfico de 2010 e da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad).

"A conclusão mostra que aprender na escola e tirar notas maiores vai aumentar o potencial do jovem no mundo do trabalho", afirma Nercio Menezes Filho, coordenador do Centro de Políticas Públicas do Instituto de Ensino e Pesquisa (Insper) e um dos autores da pesquisa, ao lado de Andréa Curi, da FGV.

Para a gerente de educação da Fundação Itaú Social, Patricia Mota Guedes, os dados obtidos podem ajudar professores, diretores e gestores de a implantar ações na educação pública para reduzir as desigualdades sociais.

"O professor deve refletir sobre o valor do ganho de aprendizado de cada aluno da sua turma, desenvolvendo estratégias para sanar as dificuldades de cada um. Já as secretarias podem pensar em políticas adequadas de formação continuada para os professores", diz.

Segundo a Fundação Itaú Social, esse é o primeiro estudo no Brasil que relaciona o impacto do desempenho escolar à remuneração na mercado de trabalho. Até hoje, só havia pesquisas que analisavam o efeito dos anos de escolaridade nos salários dos jovens.

Fonte: www.exame.abril.com.br



Imagem: Exame Abril

ATUALIDADE

17/03/2014


Eletrobras venderá 6
distribuidoras, diz jornal


Segundo o jornal Estado de S. Paulo, o caixa da Eletrobras está em R$ 11 bilhões, uma queda de 40% em relação ao ano de 2011

Com os problemas causados pela renovação das concessões no setor elétrico, a Eletrobras venderá 6 empresas do grupo para aliviar o caixa da companhia, de acordo com reportagem publicada neste domingo pelo Estado de S. Paulo.

As distribuidoras, que deverão ser oferecidas na transação, estão localizadas no Norte e Nordeste do país.

Segundo o jornal, a empresa também lançará, até o fim do semestre, um plano de reestruturação para contornar os problemas surgidos após aderir ao plano de renovação das concessões do Governo Federal.

O governo queria reduzir drasticamente o valor da energia vendida, pagando uma indenização pelos ativos ainda não amortizados um preço abaixo do que avaliava o mercado e as próprias empresas.

Resultado: a estatal foi obrigada a aceitar os R$ 14 bilhões propostos pelo seu principal acionista, o governo. Como consequência, desde 2012, a Eletrobras perdeu R$ 19 bilhões em valor de mercado, enterrando o sonho de se tornar a Petrobras do setor elétrico.

Hoje, ainda segundo o jornal o Estado de S. Paulo, o caixa da Eletrobras está em R$ 11 bilhões, uma queda de 40% em relação ao ano de 2011.

Fonte: www.exame.abril.com.br



Imagem: Exame Abril

ATUALIDADE

27/02/2014


Petrobras bate recorde diário
no pré-sal com novo poços


A produção de petróleo da Petrobras no pré-sal das bacias de Santos e Campos atingiu um recorde de 407 mil barris por dia (bpd) em 20 de fevereiro, informou a empresa.

A marca está associada ao início da produção do poço 9-SPS-77 no campo de Sapinhoá, na Bacia da Santos, na semana passada.

Segundo a Petrobras, o poço atingiu produção inicial de 36 mil bpd. Inicialmente, a empresa havia informado uma produção de 33 mil bpd no poço, o que já dava a ele a condição de maior poço produtor do pré-sal brasileiro.

A petroleira tem 21 poços produzindo no pré-sal, segundo comunicado publicado hoje em jornais brasileiros.

Destes, 10 poços estão na Bacia de Santos e respondem por 59 por cento da produção do pré-sal, com 240 mil bpd. Outros 11 poços estão na Bacia de Campos, com 41 por cento da produção, ou 167 mil bpd.

A produção do pré-sal ocorre por meio de 10 plataformas.

Três novas plataformas entrarão em operação no pré-sal em 2014: P-58, no campo Norte Parque das Baleias (1o trimestre); FPSO Cidade de Ilhabela, em Sapinhoá (3o trimestre); e FPSO Cidade de Mangaratiba, em campo de Lula/área Iracema Sul (4o trimestre).

Com estas e outras plataformas, a Petrobras espera superar 1 milhão de bpd nas áreas que opera no pré-sal já em 2017.

Fonte: www.exame.abril.com.br





ATUALIDADE

29/01/2014


Setor petroleiro do país deve investir
R$ 30 bi em pesquisa científica


Quantia poderá ser aplicada nos próximos dez anos, de acordo com a ANP. Crescimento pode ser explicado pelo início da produção no pré-sal.

O setor petroleiro brasileiro prevê um investimento de R$ 30 bilhões em pesquisa científica e desenvolvimento nos próximos dez anos, anunciou nesta terça-feira (28) a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

Por lei, o setor é obrigado a investir 1% de todo seu faturamento em projetos em P&D. O valor previsto se baseia nos resultados do cálculo de produção informado pelas petrolíferas à agência reguladora.

De acordo com a ANP, em 2020 será registrada a maior obrigação de investimentos para esta área, estimado em R$ 4 bilhões.

O crescimento pode ser explicado, segundo a ANP, pelo início da produção nos campos do pré-sal. Abaixo, entenda como é feita a exploração do pré-sal.

Fonte: www.g1.globo.com





ATUALIDADE

15/01/2014


Sisu terá 171 mil vagas em cursos
superiores; inscrição abre segunda


O número de vagas em cursos superiores disponíveis no Sistema de Seleção Unificada (Sisu), que terá as inscrições abertas de segunda-feira (6) até sexta-feira (10), será 33% maior em relação ao processo seletivo do início de 2013. Segundo levantamento feito pelo G1 com base nos dados disponíveis no site do Sisu, a edição do primeiro semestre deste ano vai disponibilizar 171.756 vagas, um terço a mais em relação a janeiro do ano passado, quando foram abertas 129.279 vagas.

Também são maiores o número de instituições participantes (passou de 101 para 115) e o número de cursos oferecidos (de 3.751 para 4.731).

Somente poderá se inscrever no processo seletivo do Sisu referente à primeira edição de 2014 o estudante que tenha participado da edição do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2013 e que tenha obtido nota acima de zero na prova de redação. O Ministério da Educação anunciou que vai divulgar a nota do Enem até o final desta semana. Pela lei federal de cotas, o Sisu deve reservar pelo menos 25% das vagas para alunos que fizeram todo o ensino médio em escolas públicas.

Assim como nos últimos anos, o Nordeste e o Sudeste, juntos, concentram dois terços das vagas disponíveis. O Nordeste tem 67.899 vagas, o que corresponde a 37,5%. O Sudeste tem 48.081 vagas (28%). A região Sul tem 22.367 vagas (13%), o Centro-Oeste tem 21.608 (12,6%), e o Norte, 11.801 (6,9%).

Minas Gerais é o estado com o maior número de vagas disponíveis (20.029), seguido por Rio de Janeiro (16.740), Bahia (12.459), Rio Grande do Sul (12.062), Paraíba (11.619) e São Paulo (10.304). O Tocantins é o estado com menor número de vagas: 624.

A Universidade Federal da Paraíba (UFPB) é a instituição que oferece o maior número de vaga pelo Sisu: 7.555. Em seguida estão as federais do Ceará (UFC), com 6.378 vagas; Bahia (UFBA), 5.938; Sergipe (UFS), 5.440; e Mato Grosso (UFMT), 5.408.

Fonte: www.g1.globo.com/




Crédito: g1.globo.com

ATUALIDADE

02/01/2014


'Nature' inclui projeto de Nicolelis em
lista de possíveis avanços de 2014

O Projeto Andar de Novo, liderado pelo neurocientista brasileiro Miguel Nicolelis, foi citado na edição da revista "Nature" desta quinta-feira (2) como um dos estudos que merecem ser acompanhados de perto em 2014. A lista conta com dez trabalhos em andamento.

O brasileiro, que atua na Universidade Duke, na Carolina do Norte, Estados Unidos, lidera o desenvolvimento do exoesqueleto, equipamento que pretende fazer um jovem paraplégico dar o pontapé inicial da Copa do Mundo de 2014.

A expectativa é que o equipamento possa ser conectado diretamente ao cérebro do paciente, que então controlaria as partes mecânicas como se fossem membros de seu próprio corpo. Dessa forma, seria possível que um paraplégico chutasse uma bola.

Cerca de cem cientistas americanos, europeus e brasileiros trabalham no Projeto Andar de novo (Walk Again Project, em inglês), uma parceria entre a Universidade Duke e instituições de Lausanne (na Suíça), Berlim e Munique (ambas na Alemanha), Natal e São Paulo.

'Interface cérebro-máquina'
A técnica faz parte de uma linha de pesquisa conhecida como "interface cérebro-máquina", com a qual Nicolelis já obteve resultados internacionalmente relevantes. Em um dos mais importantes, o neurocientista fez com que macacos não só controlassem uma mão virtual, como também sentissem uma espécie de tato quando exerciam a atividade.

Desde novembro, alguns candidatos a usar o traje fazem exercícios e preparação específica em São Paulo, na Associação de Assistência à Criança Deficiente (AACD), onde funcionará um laboratório dirigido por Nicolelis.

O pesquisador explicou anteriormente que pequenos experimentos já foram feitos com humanos, com partes do equipamento.

Fonte: www.g1.globo.com/





ATUALIDADE

06/12/2013


Consulta ao último lote do IR
deve ser liberada nesta semana

A liberação da consulta ao sétimo lote está pronta e deverá ser anunciada esta semana ou, no mais tardar, no início da próxima. O dinheiro será depositado no banco no próximo dia 16. Todas as declarações foram processadas, conforme a Receita. Os contribuintes que não entrarem no último lote de restituições do Imposto de Renda de 2013 estão na malha fina.

Ao todo, a cada ano, são liberados sete lotes regulares. O calendário de restituição de 2013 está no Ato Declaratório 3 da Receita Federal. Quem não receber no último lote deve procurar o extrato no site da Receita para verificar por que caiu na malha fina.

Se identificou algum erro, deve enviar uma declaração retificadora para ter a chance de entrar no próximo lote residual no início do ano. O extrato da declaração é disponibilizado no Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte (e-CAC).

Para utilizar o e-CAC é necessário usar o código de acesso gerado na própria página da Receita ou o certificado digital emitido por autoridade habilitada. Para gerar o código, o contribuinte precisará informar o número do recibo de entrega das declarações de Imposto de Renda dos dois últimos exercícios. Com o código, o contribuinte pode fazer a autorregularização caso encontre algum erro.

O tamanho dos lotes depende da disponibilidade do Tesouro Nacional. Para saber se teve a declaração liberada, o contribuinte deverá acessar a página da Receita na internet ou ligar para o Receitafone 146. A Receita disponibiliza ainda aplicativo para tablets e smarthphones que usam os sistemas operacionais Android e iOS, que facilitam a consulta.

A Receita lembra que a restituição ficará disponível no banco durante um ano. Se o contribuinte não fizer o resgate nesse prazo, deverá requerê-la por meio da internet, mediante o Formulário Eletrônico - Pedido de Pagamento de Restituição, ou diretamente no e-CAC, no serviço Declaração IRPF.

Caso o valor não seja creditado, o contribuinte poderá procurar pessoalmente qualquer agência do Banco do Brasil ou ligar para a Central de Atendimento por meio dos telefones 4004-0001 (capitais), 0800-729-0001 (demais localidades) e 0800-729-0088 (atendimento exclusivo para deficientes auditivos), para agendar o crédito em conta-corrente ou poupança, em seu nome, em qualquer banco.

Fonte: www.economia.terra.com.br/





Crédito: AE Economia Ig
ATUALIDADE

06/11/2013


Até outubro, Brasil já exportou mais
carros que em todo o ano passado

A indústria automotiva comemora mais um mês de alta nas exportações. Segundo dados da Anfavea, divulgados nesta quarta-feira (6), as vendas de veículos automotores para fora do Brasil em outubro subiram 13,9% em comparação com o mês anterior. No acumulado do ano, a indústria totalizou 479.984 unidades exportadas, 7,86% a mais que em todo o ano passado.

A produção de veículos, por sua vez, caiu 2,5% frente setembro, quando os estoques estavam acima da média (LINK). No acumulado do ano, no entanto, ainda há alta, de 12,3%. O número de licenciamentos subiu 6,6%.

Aumento do IPI

A Fiat segue liderando o número de licenciamentos, apesar de mostrar uma queda de 25,4% frente outubro de 2012. Quem mais cresceu a participação de mercado em 2013 foi a Hyundai, que já emplacou 126.488 unidades, quase 40 vezes mais que no mesmo período de 2012, quando foram licenciadas 3.312.

Segundo Luiz Moan, presidente da Anfavea e da GM, este é o melhor resultado para outubro na História da indústria automotiva.

"Normalmente, o mês de outubro é de desaceleração nas vendas, quando as montadoras aproveitam para trocar os modelos", diz o executivo, que tem boas expectativas. "Os últimos meses do ano sempre mostram picos de vendas."

A expectativa de fim da redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) em janeiro deverá provocar uma corrida dos consumidores nos últimos dois meses do ano. Essa corrida deve sustentar as metas do setor. A despeito da queda de 0,7% no número de licenciamentos no acumulado do ano em comparação com 2012, Moan entende que o ano deve terminar bem, com crescimento acima de 1%.

Moan defende que o corte do IPI não é nocivo à arrecadação nacional. Segundo estudo desenvolvido pela Anfavea, o aumento das vendas compensa os efeitos do corte do IPI sobre as contas nacionais. O saldo de arrecadação acaba positivo em R$ 6,044 bilhões se considerados tributos como ICMS, IPVA, entre outros. A projeção é para o período de maio de 2012 a outubro de 2013, período de vigência do IPI reduzido.

Fonte: economia.ig.com.br





ATUALIDADE

18/10/2013


Programa Mais Médicos contará com supervisores

Os médicos que participarão do programa contarão com a ajuda de um profissional brasileiro que poderá auxiliá-los através da internet e do telefone

A Portaria interministerial dos ministérios da Saúde e da Educação criou nessa quinta-feira, 17, o Cadastro Nacional de Supervisores do Programa Mais Médicos. O cadastro foi criado no âmbito do Sistema Universidade Aberta do Sistema Único de Saúde, o SUS.

O supervisor será um médico que receberá uma bolsa para acompanhar periodicamente o desenvolvimento das atividades realizadas pelos médicos participantes do programa. Ele deverá estar disponível através do telefone e da internet.

O cadastro será integrado por médicos através de convocação pública nacional realizada pela Coordenação Nacional do Mais Médicos. Os profissionais também serão submetidos a um processo de seleção.

Fonte: www.opovo.com.br





ATUALIDADE

07/10/2013


Brasil deve anunciar grande
descoberta de petróleo em semanas

Autoridades brasileiras pretendem anunciar a descoberta de uma gigantesca reserva de petróleo no mar, situada perto do Estado de Sergipe, nas próximas semanas, no que poderia ser a maior do país fora da grande região do "pré-sal", informou o governo estadual.

O ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, vai "anunciar oficialmente a descoberta" durante uma visita à capital do Estado, Aracaju, disse à agência de notícias Reuters um porta-voz do governador em exercício, Jackson Barreto, nesta quinta-feira.

Uma campanha exploratória na costa de Sergipe mostra que uma área controlada pela Petrobras e um parceiro indiano possivelmente possui mais de 1 bilhão de barris de petróleo, disseram à agência de notícias Reuters fontes do governo e da indústria, em reportagem publicada no dia 26 de setembro.

Esse volume é mais do que suficiente para suprir todas as necessidades de petróleo dos Estados Unidos, o maior consumidor de petróleo do mundo, por quase dois meses.

"Lobão aceitou o convite do governador para viajar para Aracaju no dia 23 de outubro" disse o governo de Sergipe em um comunicado. "Naquele dia, de acordo com o governador, a maior descoberta de petróleo em 2013 será anunciada oficialmente."

O Ministério de Minas e Energia do Brasil confirmou que Lobão está com viagem programada para ir para Aracaju em 23 de outubro. A pasta se recusou a informar a razão para a sua viagem.

A Petrobras se recusou a confirmar o tamanho da descoberta. Mas a presidente-executiva da estatal, Maria das Graças Foster, chamou de "uma bela descoberta" em uma entrevista coletiva em 27 de setembro.

Ela disse que a empresa planeja produzir pelo menos 100 mil barris por dia a partir de campos offshore de águas profundas em Sergipe, a partir de 2018.

A Petrobras, operadora do SEAL-11, é dona de 60% do bloco, e a indiana IBV detém o restante.

Fontes da indústria e do governo disseram anteriormente à Reuters que o bloco SEAL-11 e as áreas adjacentes podem conter mais de 3 bilhões de barris de petróleo in situ.

Essa quantidade pode ser suficiente para permitir a produção de cerca de 1 bilhão de barris, de acordo com fontes da indústria brasileira, com base em taxas de recuperação da indústria local.

Barreto está substituindo o governador em Sergipe, Marcelo Deda, que está em licença médica.

Fonte: www.uol.com.br





Crédito: Seeb São Paulo
ATUALIDADE

16/09/2013


Bancários rejeitam proposta dos bancos
e decidem greve a partir do dia 19

Nas assembleias realizadas nesta quinta-feira à noite em todo o país, os bancários rejeitaram a proposta de 6,1% de reajuste apresentada pela Fenaban e decidiram entrar em greve por tempo indeterminado a partir do dia 19, conforme orientação do Comando Nacional, coordenado pela Contraf-CUT.

Além de negar aumento real nos salários, pisos, PLR e todas as verbas salariais (os 6,1% apenas recompõem a inflação do período medida pelo INPC), a proposta da Fenaban ignora todas as reivindicações dos bancários sobre emprego, saúde e condições de trabalho, segurança e igualdade de oportunidades.

"Nós advertimos os bancos na mesa de negociações que essa proposta era uma provocação. Um setor em que somente as seis maiores empresas tiveram lucro líquido de R$ 29,6 bilhões no primeiro semestre e mantêm a mais alta rentabilidade do planeta, graças ao aumento da produtividade de seus trabalhadores, acenar com uma proposta desse tipo é pra empurrar os bancários para a greve", avalia Carlos Cordeiro, presidente da Contraf-CUT e coordenador do Comando Nacional.

"Apesar desse lucro recorde, os bancos estão fechando postos de trabalho e piorando as condições de trabalho, com aumento das metas abusivas e do assédio moral, o que tem provocado uma verdadeira epidemia de adoecimentos na categoria. Por falta de investimento em segurança, também cresce o número de assaltos, sequestros e mortes. Mas os banqueiros se recusam a discutir esses problemas. Por isso, a única saída da categoria é a greve", acrescenta Cordeiro.

Intensificar a mobilização

A Contraf-CUT está orientando as entidades filiadas a intensificarem a mobilização em todo o país. "Nos últimos anos os bancários têm demonstrado um grande poder de mobilização e de pressão e por isso conquistaram aumentos reais de salários e outros avanços econômicos e sociais. Somente uma greve muito forte da categoria fará os bancos melhorarem a proposta", conclui Carlos Cordeiro.

Calendário de luta

17 e 18 - Todos a Brasília para pressionar os deputados federais durante a audiência pública sobre o PL 4330 no plenário da Câmara.

18 - Assembleia organizativa para encaminhar a greve.

19 - Deflagração da greve nacional dos bancários por tempo indeterminado.

A proposta da Fenaban

Reajuste - 6,1% (inflação do período pelo INPC) sobre salários, pisos e todas as verbas salariais (auxílio-refeição, cesta-alimentação, auxílio-creche/babá etc.)

PLR - 90% do salário mais valor fixo de R$ 1.633,94, limitado a R$ 8.927,61 (o que significa reajuste de 6,1% sobre os valores da PLR do ano passado).

Parcela adicional da PLR - 2% do lucro líquido dividido linearmente a todos os bancários, limitado a R$ 3.267,88.

Adiantamento emergencial - Não devolução do adiantamento emergencial de salário para os afastados que recebem alta do INSS e são considerados inaptos pelo médico do trabalho em caso de recurso administrativo não aceito pelo INSS.

Prevenção de conflitos no ambiente de trabalho - Redução do prazo de 60 para 45 dias para resposta dos bancos às denúncias encaminhadas pelos sindicatos, além de reunião específica com a Fenaban para discutir aprimoramento do programa.

Adoecimento de bancários - Constituição de grupo de trabalho, com nível político e técnico, para analisar as causas dos afastamentos.

Inovações tecnológicas - Realização, em data a ser definida, de um Seminário sobre Tendências da Tecnologia no Cenário Bancário Mundial.

As reivindicações dos bancários

> Reajuste salarial de 11,93% (5% de aumento real além da inflação)

> PLR: três salários mais R$ 5.553,15.

> Piso: R$ 2.860,21 (salário mínimo do Dieese).

> Auxílios alimentação, refeição, 13ª cesta e auxílio-creche/babá: R$ 678 ao mês para cada (salário mínimo nacional).

>Melhores condições de trabalho, com o fim das metas abusivas e do assédio moral que adoece os bancários.

> Emprego: fim das demissões, mais contratações, aumento da inclusão bancária, combate às terceirizações, especialmente ao PL 4330 que precariza as condições de trabalho, além da aplicação da Convenção 158 da OIT, que proíbe as dispensas imotivadas.

> Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS) para todos os bancários.

> Auxílio-educação: pagamento para graduação e pós-graduação.

>Prevenção contra assaltos e sequestros, com o fim da guarda das chaves de cofres e agências por bancários.

> Igualdade de oportunidades para bancários e bancárias, com a contratação de pelo menos 20% de negros e negras.

Fonte: www.contrafcut.org.br





ATUALIDADE

13/09/2013


Assembleias dos bancários nesta quinta
votam greve a partir do dia 19

Os bancários de todo o país realizam assembleias nesta quinta-feira 12 para avaliar a proposta do Comando Nacional, coordenado pela Contraf-CUT, de rejeitar a proposta de 6,1% de reajuste apresentada pela Fenaban no dia 5 e aprovar a deflagração de greve a partir do dia 19. Além da Contraf-CUT, o Comando Nacional representa 10 federações e 143 sindicatos das bases onde trabalham cerca de 95% dos 490 mil bancários do país.

Além de negar aumento real nos salários, pisos, PLR e todas as verbas salariais (os 6,1% apenas recompõem a inflação do período medida pelo INPC), a proposta da Fenaban ignora todas as reivindicações dos bancários sobre emprego, saúde e condições de trabalho, segurança e igualdade de oportunidades.

Veja aqui a proposta da Fenaban e o posicionamento do Comando.

"Somente os seis maiores bancos tiveram lucro líquido de R$ 29,6 bilhões no primeiro semestre, alcançando a maior rentabilidade do sistema financeiro internacional, graças principalmente ao aumento da produtividade dos bancários. Por isso consideramos a proposta, que não tem aumento real e desconsidera as demais reivindicações, como uma provocação dos bancos", afirma Carlos Cordeiro, presidente da Contraf-CUT e coordenador do Comando Nacional.

"Apesar dos lucros, os bancos estão fechando postos de trabalho e piorando as condições de trabalho, com aumento das metas abusivas e do assédio moral, o que tem provocado uma verdadeira epidemia de adoecimentos na categoria. Por falta de investimento em segurança, também cresce o número de assaltos, sequestros e mortes. Mas os banqueiros se recusam a discutir esses problemas", acrescenta Cordeiro.

"Com essa proposta, os bancos estão empurrando os bancários para a greve. Se é o que eles querem, é o que terão. Sabemos que somente uma forte mobilização da categoria em todo o país fará os bancos melhorarem a proposta. Por isso está o Comando orientando os bancários a rejeitarem a proposta da Fenaban e aprovarem a greve a partir do dia 19", conclui o presidente da Contraf-CUT.

Calendário de luta
12 de setembro - Assembleias em todo o país para rejeitar a proposta e decretar greve por tempo indeterminado a partir do dia 19.

17 e 18 - Todos a Brasília para pressionar os deputados federais durante a audiência pública sobre o PL 4330 no plenário da Câmara.

18 - Assembleia organizativa para encaminhar a greve.

19 - Deflagração da greve nacional dos bancários por tempo indeterminado.

A proposta da Fenaban
Reajuste - 6,1% (inflação do período pelo INPC) sobre salários, pisos e todas as verbas salariais (auxílio-refeição, cesta-alimentação, auxílio-creche/babá etc.)

PLR - 90% do salário mais valor fixo de R$ 1.633,94, limitado a R$ 8.927,61 (o que significa reajuste de 6,1% sobre os valores da PLR do ano passado).

Parcela adicional da PLR - 2% do lucro líquido dividido linearmente a todos os bancários, limitado a R$ 3.267,88.

Adiantamento emergencial - Não devolução do adiantamento emergencial de salário para os afastados que recebem alta do INSS e são considerados inaptos pelo médico do trabalho em caso de recurso administrativo não aceito pelo INSS.

Prevenção de conflitos no ambiente de trabalho - Redução do prazo de 60 para 45 dias para resposta dos bancos às denúncias encaminhadas pelos sindicatos, além de reunião específica com a Fenaban para discutir aprimoramento do programa.

Adoecimento de bancários - Constituição de grupo de trabalho, com nível político e técnico, para analisar as causas dos afastamentos.

Inovações tecnológicas - Realização, em data a ser definida, de um Seminário sobre Tendências da Tecnologia no Cenário Bancário Mundial.

As reivindicações dos bancários
> Reajuste salarial de 11,93% (5% de aumento real além da inflação)

> PLR: três salários mais R$ 5.553,15.

> Piso: R$ 2.860,21 (salário mínimo do Dieese).

> Auxílios alimentação, refeição, 13ª cesta e auxílio-creche/babá: R$ 678 ao mês para cada (salário mínimo nacional).

> Melhores condições de trabalho, com o fim das metas abusivas e do assédio moral que adoece os bancários.

> Emprego: fim das demissões, mais contratações, aumento da inclusão bancária, combate às terceirizações, especialmente ao PL 4330 que precariza as condições de trabalho, além da aplicação da Convenção 158 da OIT, que proíbe as dispensas imotivadas.

> Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS) para todos os bancários.

> Auxílio-educação: pagamento para graduação e pós-graduação.

> Prevenção contra assaltos e sequestros, com o fim da guarda das chaves de cofres e agências por bancários.

> Igualdade de oportunidades para bancários e bancárias, com a contratação de pelo menos 20% de negros e negras.

Fonte: www.contrafcut.org.br





ATUALIDADE

22/08/2013


Padilha assina convênio internacional
para contratar 4 mil médicos cubanos

Primeiro grupo, de 400 profissionais, chegará no próximo final de semana. Cubanos vão para cidades não escolhidas por aprovados no Mais Médicos.

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, assinou nesta quarta-feira (21) termo de cooperação com a Organização Panamericana de Saúde (Opas) para contratar coletivamente médicos de Cuba para atuar no Brasil. O acordo prevê, até o final do ano, a chegada de 4 mil médicos cubanos.

Na primeira etapa do convênio, informou o ministro, desembarcarão no país no próximo final de semana 400 profissionais cubanos. Eles serão alocados em parte dos 701 municípios que não foram escolhidos por nenhum dos profissionais brasileiros ou estrangeiros aprovados na primeira fase do programa Mais Médicos, destinado a levar profissionais de medicina para cidades carentes de assistência no interior do país. Desses 701 municípios, 84% estão nas regiões Norte e Nordeste. Info Mais Médicos V5 6.8

Ao contrário dos brasileiros e estrangeiros que se inscreveram no Mais Médicos, os cubanos não poderão escolher os municípios para onde serão enviados. De acordo com o ministro da Saúde, todos os cubanos têm residência médica em medicina da família e, dos 400 que chegarão no final de semana, 30% têm pós-graduação em outras especialidades.

Padilha disse que, pelo acordo, o governo brasileiro pagará à Opas, o valor equivalente à remuneração dos demais profissionais contratados pelo Mais Médicos (R$ 10 mil), e a organização repassará esse dinheiro para o governo cubano. O valor total do acordo com a Opas é de R$ 511 milhões até fevereiro de 2014, informou Padilha.

O ministro afirmou não ter conhecimento sobre quanto dos R$ 10 mil ficará com os médicos e quanto irá para o governo cubano. Ele disse que não cabe ao governo brasileiro fazer esse questionamento. O representante da Opas no Brasil, Joaquín Molina, presente à entrevista coletiva concedida nesta quarta no Ministério da Saúde, disse que também não sabia informar.

Também serão fornecidos aos cubanos os demais benefícios oferecidos a aprovados no Mais Médicos (auxílio-moradia e alimentação), pagos pelas prefeituras.

A partir do dia 26, os médicos cubanos participarão, ao lado dos profissionais brasileiros e estrangeiros selecionados pelo Mais Médicos, de uma avaliação de três semanas em universidades públicas. De acordo com Padilha, somente os profissionais aprovados por essas universidades serão encaminhados aos municípios.

O ministro da Saúde informou que o segundo grupo de cubanos (2 mil) chegará ao Brasil em 4 de outubro para participarem da segunda rodada de avaliações. A data foi escolhida para coindicir com o período em que serão avaliados nas universidades os profissionais brasileiros e estrangeiros do Mais Médicos. O último grupo de cubanos (1,6 mil) deverá chegar até o final de novembro.

Fonte: www.g1.globo.com





ATUALIDADE

09/08/2013


Dilma comemora ‘mergulho da
cesta básica’ em 18 capitais

Presidente disse que inflação está dentro da meta e
prometeu pacote de licitações e investimentos este ano

A presidente Dilma Rousseff reafirmou nesta sexta-feira, em entrevistas a rádios do Rio Grande do Sul, que não houve uma queda, "mas um mergulho da cesta básica em 18 capitais". Lembrou ainda que a inflação recuou sucessivamente entre abril e junho e que o País vive uma situação de queda generalizada dos preços. "A inflação no Brasil está sob controle, tivemos problema e dificuldades, mas conseguimos superar", disse. Dilma evitou fazer previsão para o índice de inflação em 2013, temendo cobranças da imprensa, mas garantiu:

"Tenho absoluta certeza que ela estará dentro da meta. Eu não tenho a menor dúvida e nem os analistas do País". Ela disse ainda que neste segundo semestre haverá uma conjunto de licitações em rodovias e ferrovias que será um dos maiores do País. "Nos portos, já autorizamos mais de 55 terminais de uso privativo, totalizando R$ 16 bilhões", completou. Dilma citou novamente, como fizera também em entrevista na quarta-feira, 07, em Varginha (MG), a estimativa de obtenção de 8 bilhões a 12 bilhões de barris equivalentes de petróleo no campo de Libra do pré-sal no leilão previsto para setembro.

"Com Libra, nossa capacidade será maior do que nos últimos anos e o Brasil se transformará inequivocamente em um país exportador de petróleo", disse. Ainda em 2013, segundo a presidente, o Brasil voltará a ser autossuficiente em petróleo, com uma conta positiva entre exportação e importação.

Também como declarara anteontem em Minas Gerais, Dilma afirmou que o crescimento da taxa de desemprego, de 6% no Brasil, foi "na margem", ante os 5,8% do mês de maio para junho. "É escandaloso que alguém diga que desemprego cresceu. Não se pode dizer que emprego está caindo, nunca tivemos taxa tão baixa de desemprego", disse. "Criamos 826 mil empregos em seis meses. O equivalente a tudo que foi criado no governo FHC", concluiu.

A presidente voltou a citar também que em seis meses de 2013 o País recebeu US$ 30 bilhões de investimentos externos diretos, portanto, segundo ela, "não se pode dizer que confiança no país caiu". Dilma lembrou que em 2011 o investimento externo direto somou US$ 67 bilhões, recuou para US$ 65 bilhões de 2012 e que se ficar em US$ 60 bilhões este ano, será "um número excelente".

Guaíba
Dilma afirmou também que a nova ponte sobre o Guaíba, em Porto Alegre, começará a ser construída no próximo ano, em abril, "no máximo em junho", afirmou. Dilma disse que o projeto será licitado por Regime Diferenciado de Contratação (RDC) Integrado. "Você tem de ter o estudo de viabilidade, mas fazer o projeto básico e executivo é ônus do investidor", disse.

Na entrevista, a presidente comentou ainda sobre as estradas do Rio Grande do Sul. Ela criticou a imprensa local, que noticiou o atraso na construção da BR-448, entre Porto Alegre e Estância Velha. "Soube pela imprensa que não tem projeto, o que é um absurdo. Só podemos licitar a obra em 30 de julho de 2014, após a licença prévia", afirmou. A BR-448, chamada de Rodovia do Parque, está sendo construída como alternativa à BR-116 na região metropolitana de Porto Alegre.

Dilma reforçou que o governo federal destinou R$ 1,6 bilhão para a BR-392 entre Santa Maria, região central do Estado, e Santo Ângelo, no noroeste. "Este (projeto) também tem licença prévia para 30 de maio, portanto licitação para 30 de julho (de 2014)". Dilma falou ainda que até o final do ano será feita a licitação para obras na BR-116. Em sua visita anterior ao Rio Grande do Sul, a presidente anunciou recursos para melhorias no trecho da região metropolitana da rodovia. "Não há atraso", reforçou.

Fonte: www.estadao.com.br





ATUALDADE

30/07/2013


Brasil avança, mas educação freia
desenvolvimento, indica IDHM

Escola Sesc de Ensino Médio, na Barra da Tijuca (Rio),
foi incluída entre a elite das escolas públicas no Enem 2011

Numa escala de 0 a 1, considerando o 1 como o mais avançado, o índice geral do país foi de 0,493 (em 1991) para 0,727 (em 2010). O município com o melhor índice do país é São Caetano do Sul, no ABC paulista, com 0,862. A cidade de Melgaço, no Pará, tem a pior avaliação, com 0,418.

"Embora tenhamos um país desigual, a desigualdade diminuiu", analisa Marco Aurélio Costa, coordenador do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), responsável pela elaboração do índice em parceria com o Pnud (braço da ONU para o desenvolvimento) e a Fundação João Pinheiro (FJP).

"As regiões Norte e Nordeste tiveram um avanço proporcionalmente maior, o que reflete melhoria no desempenho dos municípios piores, mas ainda ficam atrás."

O presidente do Ipea e ministro da SAE (Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência), Marcelo Neri, avalia que o país "teve avanços muito importantes nos últimos anos, mas as pessoas querem mais avanços".

Segundo ele, o país passa por um período de grandes transformações, mas ele não encara com pessimismo o baixo crescimento da economia brasileira, que poderia lá na frente impactar negativamente esses indicadores.

"A visita do papa foi bastante oportuna, estamos num momento de efervescência. Particularmente, eu acho que as mudanças são sempre dolorosas, mas são as dores do crescimento, da democracia. Não sou pessimista em relação à inflação, ao desemprego."

Ao analisar o item educação isoladamente, o Brasil subiu de 0,279 (em 1991) para 0,637 (em 2010). É a dimensão que mais avançou nos últimos anos (128,3%), puxada principalmente pelo fluxo escolar de jovens, que ficou 2,5 vezes maior em 2010 em relação a 1991. No entanto, ainda não subiu o suficiente e é a que hoje menos contribui para o IDHM do Brasil. É também o único subíndice classificado na faixa média do desenvolvimento humano.

A renda, por outro lado, foi de 0,647 (em 1991) para 0,739 (em 2010), com um crescimento equivalente a 14,2%. A renda per capita dos brasileiros teve um ganho de R$ 346,31 (em valores corrigidos) nos últimos 20 anos. No entanto, ainda há uma grande desigualdade entre os municípios. A cidade com a maior renda média per capita é São Caetano do Sul (SP), com R$ 2.043,74. Ela é 21 vezes maior do que a do município com o menor IDHM Renda, que é Marajá do Sena (MA), com R$ 96,25.

Quanto à longevidade, foi o índice que mais puxou o IDHM nacional para cima. A expectativa de vida cresceu 14% (9,2 anos) nas últimas duas décadas, passando de 64,7 anos (em 1991) para 73,9 anos (em 2010). No entanto, ainda há uma variação muito grande entre os municípios, entre 65 e 79 anos, embora seja o índice que tenha apresentado a maior redução na diferença entre o maior e o menor resultado.

Fonte: www.uol.com.br





ATUALDADE

17/07/2013


Substituição de lâmpadas em vias públicas
vai custar R$ 116 milhões a São Paulo

Prefeitura quer substituir 30% da iluminação da cidade,
hoje feita por lâmpadas de mercúrio, obsoletas

Os 12 arrastões que assustaram os paulistas na última Virada Cultura, em maio deste ano, chamaram a atenção da Prefeitura de São Paulo para um problema antigo: a má iluminação das vias públicas. Uma semana depois do evento, o prefeito Fernando Haddad (PT) anunciou a troca de 120 mil lâmpadas nas ruas até o final do ano, mas não revelou o valor necessário para a substituição.

Haddad pediu um estudo à Polícia Militar, que mapeou os 643 endereços em toda a capital onde a iluminação é ruim ou inexistente. Ao divulgar o estudo, o porta-voz da polícia, major Marcel Lacerda Soffner, afirmou que qualquer “criminoso vai preferir agir em um local escuro do que em um lugar com boa iluminação”.

A pedido do iG , a prefeitura revelou que o valor necessário para a substituição já foi contabilizado: até o final do ano serão necessários R$ 116,3 milhões para substituir as lâmpadas de mercúrio – luz branca – pelas de vapor de sódio, amarelada.

A substituição fazia parte das promessas de campanha de Haddad, que justificava sua proposta ao afirmar que as lâmpadas de vapor de sódio são mais econômicas e iluminam até três vezes mais que as de mercúrio.

Até o dia 10 de junho – último levantamento da Secretaria de Serviços – 25 mil pontos de luz já haviam sido substituídos. Ao todo, serão 41 endereços no centro, como na rua 7 de Abril; 72 na zona Oeste, como na esquina das ruas Aspicuelta e Fidalga (Vila Madalena); 178 na zona Norte, como na avenida Raimundo Pereira de Magalhães (Pirituba); 174 na zona Sul, como em trechos da avenida Nações Unidas; e 177 na zona Leste, como na avenida Jacu-Pêssego (Vila Jacuí).

Ainda no mês passado, Haddad anunciou a redução de R$ 70 milhões no valor pago ao consórcio SP Luz, responsável pela substituição das lâmpadas. O corte de 20% no contrato de R$ 437 milhões foi uma retaliação ao grupo, que não estaria respeitando os prazos para as trocas, consertos e instalação de novos pontos de luz na cidade.

O consórcio aceitou a redução em troca da prorrogação de seu contrato, que venceria em julho. Agora, a empresa terá até dezembro para concluir as regras contratuais.

Fonte: www.ultimosegundo.ig.com.br





POLÍTICA

10/07/2013


Governo libera R$ 419 milhões
para Unidades Básicas de Saúde

Verba faz parte do PAC 2 e foi divulgada no Diário Oficial da União. Serão destinados para obras de 805 postos de saúde em 171 municípios.

O governo federal anunciou a liberação de R$ 419 milhões para a construção de Unidades Básicas de Saúde (UBS) em todo o país. A liberação da verba foi divulgada por meio de uma portaria publicada no Diário Oficial da União desta quarta-feira (10).

O montante, que faz parte do programa PAC 2, será destinado para as obras de 805 unidades em 171 municípios de 23 estados. Além do Distrito Federal, as unidades da federação que não foram contempladas foram Roraima, Rio Grande do Norte e Alagoas.

Boa parte dos recursos devem ser repassados para o estado de São Paulo. Mais de R$ 71,5 milhões estão previstos para serem aplicados na construção de postos de saúde na região metropolitana da capital paulista, em municípios como Ferraz de Vasconcelos e Francisco Morato, além de cidades no interior, como Araraquara e Barretos, e no litoral, como Guarujá e Itanhaém.

A cidade de São Paulo terá um aporte de R$ 26,2 milhões para construir mais 34 Unidades Básicas de Saúde, de acordo com a portaria publicada. Outros estados, como o Pará, também receberão quantidade significativa de recursos - R$ 34 milhões, no total.

Em Manaus, no Amazonas, a verba será de R$ 29 milhões para a construção de postos de saúde, indica a portaria. Cerca de 40 UBS de portes diferentes estão previstas no texto publicado.

A portaria assinada pelo ministro da Saúde Alexandre Padilha entrou em vigor a partir da publicação, nesta quarta.



Fonte: www.g1.globo.com





POLÍTICA

01/07/2013


Dilma convoca ministros para reunião

Presidente vai pedir empenho para andamento de projetos e melhorias na qualidade do serviço público, uma das principais queixas vindas das ruas

A presidente Dilma Rousseff convocou para uma reunião na tarde desta segunda-feira, 1º, seus 39 ministros, na Granja do Torto. Dilma quer pedir empenho a toda a sua equipe para que agilize e melhore a produtividade dos serviços públicos prestados à população.

Uma das principais queixas da população, manifestada nos protestos ocorridos no País refere-se a má qualidade dos serviços públicos em todas as áreas, em especial às relacionadas à saúde, educação e segurança. Embora nesses três setores a prestação dos serviços seja compartilhada com Estados e municípios, a presidente entende que o governo federal pode ajudar a melhorá-los. Mas a cobrança dela não se limitaria a esses setores.

Segundo o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, Dilma quer colocar os ministros a par das resoluções do governo e fazer recomendações. Paulo Bernardo foi um dos convocados para um encontro nesse domingo, 30, no Palácio da Alvorada. No sábado, pesquisa do Datafolha indicou queda de 27 pontos na aprovação do governo federal.

Também para esta segunda há a expectativa de que a presidente receba representantes da oposição para discutir o plebiscito sobre reforma política. Mas não há ainda previsão para esse encontro.



Fonte: estadao.com.br





POLÍTICA

24/06/2013


Dilma inicia por saúde plano para estancar manifestações no país

Além das medidas, o governo também avalia a possibilidade de fazer uma reforma ministerial durante o recesso do Congresso, em julho

Na busca de atender a "voz das ruas" e reduzir o desgaste provocado pelas manifestações na imagem do governo e do país, a presidente Dilma reúne hoje governadores e prefeitos de capitais para tentar fechar um pacote de medidas nas áreas da saúde, educação, mobilidade urbana e transparência pública.

Além das medidas, o governo também passou a avaliar a possibilidade de fazer uma reforma ministerial durante o recesso do Congresso, no mês de julho. A avaliação do Planalto é que, se os agentes públicos ficarem só no discurso, as manifestações vão continuar país afora.

A pressa do Palácio do Planalto está relacionada ainda a pesquisas reservadas feitas por partidos aliados que já registram novas quedas na aprovação do governo Dilma Rousseff. O último levantamento do Datafolha mostrou recuo de oito pontos na popularidade da presidente.

O governo vai anunciar aos governadores e prefeitos a criação de mais 2.000 vagas para médicos residentes e um plano de construção de hospitais e compra de equipamentos hospitalares no país. As novas vagas para residência terão anúncio oficial amanhã. O Ministério da Saúde também vai lançar o programa Mais Médicos Brasil, para trazer profissionais formados no exterior.

Na reunião, Dilma também reforçará a intenção de tirar do papel as obras do Plano Nacional de Mobilidade Urbana, que deveriam estar a todo vapor para a Copa do Mundo, mas não decolaram.

Defenderá ainda a criação de um Plano Nacional de Governo Transparente, ampliando o alcance da Lei de Acesso à Informação.

Pedirá também o apoio de governadores e prefeitos para aprovação de projeto no Congresso que destina todos os royalties do petróleo do pré-sal para a educação.

O governo vai discutir o tema da segurança na reunião. Quer definir um plano de combate à violência no país e acertar com os participantes formas de coibir as arruaças. reforma

A presidente tem sido aconselhada pelo ex-presidente Lula a fazer mudanças em seu governo, buscando reforçar a credibilidade na área econômica e retomar a interlocução com empresariado, lideranças políticas e de movimentos sociais.

Segundo petistas, a conversa de Lula com Dilma foi na linha de que "nós precisamos reagir, caso contrário corremos o risco de perder a eleição no próximo ano".

Assessores presidenciais reconhecem este como o pior momento da chefe, mas dizem que é preciso ter sangue frio, abrir um canal de diálogo com os líderes das manifestações e confiar que a economia, nos próximos meses, começará a registrar números positivos.

Dilma passou todo o domingo reunida com sua equipe para preparar a reunião de hoje. Na saúde, por exemplo, sua avaliação é que o governo precisa não só aumentar o número de médicos no país com a liberação da entrada de profissionais estrangeiros, mas também estimular a abertura de novas vagas para os brasileiros.

Além disso, diz que os manifestantes querem também mais hospitais e unidades hospitalares bem equipadas, o que será um dos temas centrais do encontro de hoje, que acontecerá à tarde no Palácio do Planalto.



Fonte: http://www1.folha.uol.com.br//





ATUALIDADE - SÃO PAULO

24/06/2013


Alckmin suspende reajuste de pedágios e nega que medida seja 'populista'

O governador do Estado, Geraldo Alckmin (PSDB), afirmou nesta segunda-feira (24) a suspensão do reajuste de pedágios nas rodovias do Estado. Ele negou que a medida seja populista."Estamos trabalhando nisso há 2,5 anos. Fizemos reajustes no orçamento, mas vamos manter todos os contratos", dissePelos contratos com as concessionárias, o reajuste começaria a valer a partir do dia 1º de julho. Segundo Alckmin, o aumento seria de "até 6,2% de acordo com o índice IGPM, já que sempre se usa o que aponta menor inflação. O IGPA fechou em 6,5%".

A medida, conforme o governador afirmou, é possível graças à redução do valor pago às concessionárias pela Artesp (agência que regula os contratos do Estado no setor), que caiu de 3% e foi para 1,5%.

Outra medida adotada foi o uso do eixo suspenso nas praças de pedágio, modelo que já é utilizado nas rodovias federais, além da penalização das empresas que atrasam obras. "Além da multa, as concessionárias serão penalizadas com a aplicação da TIR (taxa interna de retorno)".

Alckmin defendeu que a implantação do sistema Ponto a Ponto, que cobra o pedágio por trecho percorrido, já vem reduzindo os custos dos usuários. Ele também falou sobre o aumento na quantidade de empresas que operam o sistema de pedágio eletrônico. "Quebramos o monopólio do Sem Parar, e estamos rediscutindo os contratos. Hoje temos três empresas neste sistema".

Por último, Alckmin disse que o próprio percentual que o governo recebe das empresas poderá ser usado para compensar a suspensão do aumento do pedágio. "Usaremos se necessário parte destes recursos". O governador, entretanto, não soube precisar de quanto dinheiro o Estado abriria mão nesta situação.

As lanchas e balsas que fazem a travessia Santos-Guarujá também não terão reajuste.Corte de investimentos

Na quarta-feira (19) o governador e o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), anunciaram a revogação do aumento das tarifas de transporte público. Na ocasião, os dois disseram que seria necessário realizar cortes no orçamento.

Hoje Alckmin voltou atrás: "Não vamos cortar nenhum investimento. Tomamos um conjunto de medidas de custeio para chegar aos valores das tarifas de trem e metrô [R$ 3]. Vamos aumentar os investimentos na área de mobilidade urbana", disse.

"Vou conversar com o ministro Guido Mantega (Fazenda) porque temos três financiamentos na Secretaria do Tesouro Nacional, e nós temos pressa. Se aprovarmos isso agora dá tempo de passar para o Senado ainda julho".

Nesta segunda-feira o governador se reúne com a presidente Dilma Rousseff em Brasília, e declarou esperar um "pacto de reforma política para o país".



Fonte: www.FOLHA.COM.BR





ATUALIDADE - SÃO PAULO

14/06/2013


Grupo marca novo protesto para segunda-feira em São Paulo

O Movimento Passe Livre agendou, para a próxima segunda-feira, uma nova manifestação contra o aumento de tarifas do transporte público em São Paulo. Segundo evento criado pelo grupo na rede social Facebook, o próximo ato será no Largo da Batata, a partir das 17h.

Denominado "Quinto grande ato contra o aumento das passagens", o protesto contava com mais de 40 mil pessoas confirmadas até as 10h30 desta sexta. Ontem, milhares de pessoas foram às ruas na região central de São Paulo, mas a passeata, que começou pacífica - com jovens cantando, carregando cartazes e distribuindo flores para a população -, terminou com cenas de guerra em diversas ruas do centro.

As primeiras bombas de gás lacrimogênio lançadas pela Polícia Militar, às 19h15, na rua da Consolação, deram início a uma sequência de atos violentos por parte dos militares, que se espalharam até por volta da meia-noite. Antes do início da ação policial, o major Lidio Costa Junior, do Policiamento de Trânsito da PM, afirmou ter sido rompido um "acordo" que havia sido feito com os manifestantes.

Na convocação para o próximo ato, o Movimento Passe Livre citou a ação da polícia e prometeu continuar com as manifestações até que a tarifa seja revista. Veja o comunicado na íntegra:

“A luta da população de São Paulo contra o aumento das passagens de um transporte que se diz público está cada vez maior e mais forte! Mas a única resposta do governo é uma repressão policial mais truculenta e arbitrária a cada ato. Nessa quinta, uma manifestação de 20 mil pessoas, completamente pacífica, foi recebida a bombas e balas de borracha na (rua da) Consolação. Ficou claro que a violência parte sempre da polícia.

Eles querem nos calar, nos separar, nos enfraquecer. Mas nós não deixaremos! Ninguém vai nos deter em nosso direito de nos manifestar até a tarifa baixar!”




Fonte: www.FOLHA.COM.BR





ATUALIDADE

17/05/2013


Grávida terá estabilidade durante o aviso prévio

A lei acrescenta o artigo 391-A à Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) para dispor que "a confirmação do estado de gravidez advindo no curso do contrato de trabalho, ainda que durante o prazo do aviso prévio trabalhado ou indenizado, garante à empregada gestante a estabilidade provisória prevista na alínea b do inciso II do art. 10 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias."

Esse trecho do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias proíbe a dispensa arbitrária ou sem justa causa da empregada gestante, a partir do momento da confirmação da gravidez e até cinco meses após o parto.

A Lei 12.812 está publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta sexta-feira, 17.



Fonte: www.economia.estadao.com.br/





POLÍTICA

06/05/2013


Dilma: não pensamos em reduzir emprego;
precisamos reduzir custo do trabalho

A presidente Dilma Rousseff afirmou nesta segunda-feira que o governo não está pensando em reduzir emprego, mas que tem obrigação de reduzir os custos do trabalho.

A presidente reiterou a necessidade de o país ampliar sua competitividade sem abrir mão da estabilidade econômica e das conquistas sociais, durante discurso na posse da diretoria da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp) e da Associação Comercial de São Paulo (ACSP).



Fonte: www.g1.com.br





POLÍTICA

09/04/2013


Entidades defendem fim do
financiamento privado de campanha

Representantes da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) e do Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral pediram nesta segunda-feira (8) ao presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), a aprovação de proposta que acaba com o financiamento privado das campanhas eleitorais.

O grupo disse a Renan que pode apresentar ao Congresso projeto de iniciativa popular com esse teor.

"Se não tivermos essa perspectiva, vamos desenvolver uma lei de iniciativa popular nesta linha, algo que já está sendo traçado. Faremos a exemplo do que fizemos com a Lei da Ficha Limpa, que também foi de iniciativa popular", disse o vice-presidente da OAB, Cláudio Lamachia.

O presidente do Movimento de Combate à Corrupção, Marlon Reis, afirmou que o atual modelo permite que as empresas sejam "retribuídas" pelos candidatos eleitos, o que abrira caminho para desvios no governo.

"As empresas não podem ser a base do financiamento das campanhas. Temos hoje um modelo de retribuição do financiamento em contratos públicos. Isso tem que acabar. A base dos problemas políticos está no dinheiro."

Segundo Lamachia e Reis, o senador prometeu dar "celeridade" à discussão da proposta.

Da tribuna do Senado, Renan disse que o "esboço" apresentado pelas entidades "pode ser levado em consideração" no momento em que o Senado for discutir a reforma política. O assunto está na pauta da Câmara dos Deputados.

"Eles vieram trazer subsídios para a reforma eleitoral pautada na Câmara. Em seguida, será pautada aqui no Senado Federal. Apresentam um esboço que pode ser levado em consideração para que possamos fazer essa reforma política como quer essas entidades e a sociedade brasileira", disse Renan.

PROPOSTA
A OAB realizou hoje um ato público para lançar o manifesto "Eleições limpas: contra o financiamento privado e em defesa do financiamento democrático de campanhas".

O documento exclui as doações de pessoas jurídicas do processo eleitoral e tem o apoio de mais de 40 entidades, como a CNBB (Confederação dos Bispos do Brasil) e CUT (Central Única dos Trabalhadores).

O modelo sugerido pela OAB prevê o financiamento por recursos públicos, depositados em um "fundo de campanha", com verbas de dotações orçamentárias da União e de multas administrativas e de penalidades eleitorais. Os recursos seriam repassados "exclusivamente" aos partidos e distribuídos de forma igualitária --sem receber mais quem tem maior representação no Congresso.

Os advogados propõem que os recursos sejam administrados por comissões gestoras de cada sigla. O texto prevê que somente filiados recebam o dinheiro do financiamento, mas permite que os partidos definam internamente a melhor forma de distribuição dos recursos.

Pelo texto, quem receber recursos privados deve responder por crime eleitoral e infração administrativa o que impediria as pessoas jurídicas de firmar contratos com o poder público por até cinco anos.

A entidade dos advogados estima que, nos últimos 10 anos, mais de R$ 1 bilhão foram repassados por apenas 10 empresas para campanhas políticas. O modelo, segundo a OAB, permite o caixa dois de campanhas e se transformou na "causa fundamental" da corrupção eleitoral.

"A verdade é que a maior parte das doações não aparece, constituindo importantes recursos eleitorais não declarados e que se prestam à formação do chamado 'caixa dois', causa principal da corrupção eleitoral. Uma análise deste financiamento, dito privado, evidencia que de privado tem apenas o nome, já que políticos que dele se beneficiam, muitas vezes, retribuem aos seus financiadores com recursos públicos", diz o manifesto da OAB.



Fonte: www.uol.com.br





POLÍTICA

20/03/2013


Votação do Fundo de Participação
dos Estados fica para a próxima semana

O plenário do Senado aprovou nesta terça-feira requerimento de urgência para a votação do projeto de lei que altera as regras para distribuição do Fundo de Participação dos Estados (FPE). A expectativa era que o projeto fosse votado ontem, mas, por questões regimentais, será necessário um prazo de 48 horas após a aprovação da urgência para que a matéria seja apreciada.

O relator do projeto, senador Walter Pinheiro (PT-BA), apresentou seu relatório para a bancada do PMDB - maior da casa - esta tarde e repassará o texto também aos demais senadores para que eles possam conhecê-lo antes da votação. Com isso, a votação da matéria ficou marcada para a próxima terça-feira.

"Tem uma medida provisória (MP) trancando a pauta. Portanto, mesmo que houvesse boa vontade plena (para votar hoje), não haveria possibilidade porque não se votou a MP', justificou o relator sobre o adiamento da votação.

Durante a apresentação do relatório para os senadores peemedebistas ficou acordado que o critério a ser utilizado no cálculo será o do inverso da renda domiciliar per capta associado à população de cada Estado. Atualmente, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) calcula somente o Produto Interno Bruto (PIB) domiciliar per capta, não a renda. Por isso, será necessário solicitar ao instituto que inicie a nova pesquisa estatística sobre a renda das pessoas para que possa ser utilizada no cálculo do FPE.

"Atualmente o IBGE só calcula o PIB domiciliar per capta. Nessa conta entra a construção de estradas, de hidrelétricas, por exemplo, como se fossem renda da população. Então nós vamos solicitar ao IBGE que faça esse cálculo (com os novos critérios)', explicou o senador Romero Jucá (PMDB-RR)

Ficou garantido um período de transição até 2017. Desse modo, nenhum estado receberá menos que 2012 no período. O excedente do fundo, durante o período de transição, será distribuído conforme o novo cálculo. Com a garantia de que nenhum estado perderá recursos com a nova lei, a expectativa é que não haja problemas para a aprovação da matéria na próxima semana.

O relator esclareceu que o novo cálculo não deve alterar substancialmente o que os estados ganham atualmente. Segundo ele, qualquer proposta para aumento do valor total do fundo deve ser apresentada posteriormente na forma de emenda constitucional. Ele disse que o período de transição servirá para que possam surgir novos debates sobre a forma de distribuir os recursos.

"A ideia de aumentar a cota de cada estado, de percentual, de equiparação, de corrigir possíveis distorções, para isso nós vamos ter até 2017. Nós fizemos uma transição buscando respeitar contratos, porque os planos plurianuais foram feitos com base na projeção atual do FPE. Então o novo cálculo valerá apenas para o excedente", explicou Pinheiro.



Fonte: www.g1.globo.com





POLÍTICA

08/03/2013


Senado aprova criação de Secretaria
da Pequena e Micro Empresa

O Senado aprovou nesta quinta-feira o projeto que cria a Secretaria da Micro e Pequena Empresa, que terá status de ministério e será a 39a pasta na Esplanada. A proposta, que havia sido aprovada na Câmara dos Deputados em novembro e segue agora para sanção presidencial, causou fortes críticas dos senadores da oposição, que classificaram a criação do ministério como instrumento de "cooptação política" para fins eleitoreiros. Um ministério específico para pequenas e micro empresas foi promessa de campanha da presidente Dilma Rousseff em 2010. Deve ser preenchido em meio à reforma ministerial que a presidente Dilma deve realizar a partir da próxima semana para reorganziar sua base aliada, já com vistas à reeleição em 2014. O partido mais cotado para assumir a pasta, segundo aliados do Planalto, é o PSD, que deve formalizar ainda em março sua entrada na base do governo. A sigla recém-criada e comandada pelo ex-prefeiro de São Paulo Gilberto Kassab tem a quarta maior bancada da Câmara.

O projeto, aprovado sem emendas, cria a pasta, os cargos de ministro e secretário-executivo, além de mais de 60 cargos comissionados. O governo calcula, no texto enviado ao Congresso, que a criação dos cargos terá o impacto orçamentário anual de 7,9 milhões de reais.

A nova pasta, que atuará na coordenação e articulação de políticas e programas para empresas irá incorporar algumas funções dos Ministérios do Trabalho e do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior que estavam relacionadas às empresas de pequeno porte.

Os senadores da base aliada do governo defenderam a proposta, afirmando que ela irá proporcionar maiores chances de estímulo ao desenvolvimento dos pequenos empreendedores e ajudar no crescimento da economia brasileira.

"LÓGICA DA REELEIÇÃO"

Os senadores da oposição fizeram duros ataques à criação de mais um ministério. Afirmando ser a favor de estímulos às micro e pequenas empresas, o senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) disse que os cargos deveriam ser transferidos de outras pastas que já cuidam da área do pequeno empreendedor, em vez de se criar mais custos ao Tesouro.

"Por que não fazer a economia destas 66 DAS (Cargos comissionados)? A resposta é uma só: campanha eleitoral", afirmou Aloysio.

Aécio Neves (PSDB-MG), provável candidato à Presidência, foi ainda mais duro. Comparou o número muito menor de ministérios em países vizinhos, para dizer que o governo faz "cooptação (de aliados) por meio de cargos públicos".

"O governo se distancia cada vez mais da lógica da eficiência", disse Aécio.

"Quem governa hoje o Brasil é a lógica da reeleição", acrescentou.



Fonte: www.g1.globo.com





POLÍTICA

25/02/2013


Para Dilma, ampliação do Brasil
sem Miséria é fato histórico

A presidente Dilma Rousseff disse nesta segunda-feira (25) que a ampliação do Programa Brasil sem Miséria é um fato histórico que superou prazos e metas. Com as mudanças, cerca de 2,5 milhões de brasileiros cadastrados no Bolsa Família vão receber complemento para ultrapassar a renda de R$ 70 por pessoa, considerado o patamar que supera a linha da extrema pobreza.

"Isso significa que viramos uma página, uma página decisiva de uma longa história de exclusão social e agora nós damos mais um passo para construir um Brasil sem miséria", avaliou Dilma. No programa semanal Café com a Presidente, ela lembrou que, desde o ano passado, famílias com crianças de até 15 anos já tinham direito ao benefício de R$ 70 por pessoa. "O enorme sucesso do Brasil Carinhoso nos mostrou o caminho: que era possível e que podíamos avançar ainda mais e garantir a todas as famílias brasileiras que recebem o Bolsa Família uma renda de pelo menos R$ 70 por pessoa, tirando-as da chamada pobreza extrema", lembrou.

O próximo passo, segundo Dilma, é localizar pessoas que vivem na extrema pobreza e que ainda estão fora do cadastro único. A estimativa do governo federal é que 700 mil famílias vivam nesta situação e não recebam benefício algum. "Vencemos a pobreza extrema visível e agora vamos atrás da pobreza extrema invisível, aquela que teima em fugir dos nossos olhos e dos nossos programas sociais", destacou.

"Contamos com a valiosa parceria das prefeituras e dos estados para percorrer as periferias das grandes cidades, as comunidades ribeirinhas e extrativistas lá na Amazônia, procurar no Semiárido do Nordeste e, no Nordeste em geral, nas áreas rurais e em todos os cantos desse enorme país, identificando as pessoas em situação de extrema pobreza e dando a elas o acesso a todas as ações do Brasil sem Miséria", completou.



Fonte: www.uol.com.br





ATUALIDADE

15/02/2013


Para garantir abastecimento na Copa,
térmicas ficarão ligadas o ano todo

Enquanto prepara uma mudança que, no médio prazo, mudará o perfil energético do Brasil (de hidrelétrico para hidrotérmico), o governo decidiu no curto prazo manter ligadas, durante todo este ano, as térmicas a gás natural e carvão. A afirmação foi feita ao jornal "Valor" pelo diretor-geral do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), Hermes Chipp.

Análise: 2013 marca o surgimento de um novo padrão de geração elétrica no Brasil

A medida, segundo Chipp, é manter os reservatórios das hidrelétricas o mais cheios possíveis, para evitar problemas de abastecimento de no ano que vem, quando acontece a Copa do Mundo.

. Na entrevista ao "Valor", Chipp afirmou que não existe previsão nem mesmo para o desligamento das térmicas a óleo, de custo de operação mais elevado.

Procurado pela Folha, o diretor da ONS não falou. A assessoria do órgão disse que não poderia confirmar nem desmentir a informação.

NOVO PADRÃO

A expansão da geração de energia com fontes térmicas, mais caras e poluentes, é reflexo direto de uma decisão tomada na última década pelo Brasil. Após a pressão ambientalista, o país aceitou reduzir o tamanho das novas usinas hidrelétricas. A consequência foi a redução da capacidade de guardar água nas usinas.

A necessidade de reforçar permanentemente a produção termelétrica, no longo prazo, é confirmada pelo secretário de planejamento e desenvolvimento energético do Ministério das Minas e Energia, Altino Ventura.

"As hidrelétricas sozinhas já não dão conta de atender a demanda do país", afirma Ventura, responsável por moldar toda essa mudança.

"Já usamos termelétricas para complementar a oferta, mas o que precisamos agora é buscar térmicas com custo de combustível barato para fazer com que gerem durante todo o tempo, como fazem as hidrelétricas."

O governo se convenceu de que precisará adicionar térmicas na base da geração para atender o crescimento da demanda de 4,8% ao ano ao longo desta década.

Até 2021, horizonte do atual Plano Decenal de Energia, a carga necessária para abastecer o Sistema Interligado passará de 61,5 mil MW para 90,3 mil MW médios.

O uso das termelétricas no país não é novo --o investimento cresceu após o apagão de 2001 e, hoje, soma mais de 30.000 MW em capacidade instalada. Mas elas eram contratadas para eventualidades, e não para o dia a dia.

Fonte: uol.com.br





POLÍTICA

15/01/2013


Mesmo com a crise econômica, Dilma ressalta forte relação entre Brasil e União Europeia

A presidente da República, Dilma Rousseff, destacou nesta quinta-feira (24) que, apesar da crise econômica internacional, a relação entre o Brasil e a União Europeia continua "dinâmica".

"O comercio do Brasil com a União Europeia, mesmo na situação de crise, no ano passado, mostrou seu dinamismo, totalizando US$ 96,6 milhões", ressaltou a presidente durante seu pronunciamento em Brasília.

O pronunciamento da presidente ocorreu depois da 6ª reunião de Cúpula Brasil-União Europeia, com a participação do presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso, e o presidente do Conselho Europeu, Herman Van Rompuy, para participarem da reunião.

Durão, por sua vez, disse que a relação entre os países da Europa e o Brasil deve ir além do jogador de futebol Neymar.

Reunião
Durante a cúpula, temas como a crise financeira internacional, questões de segurança internacional no Oriente Médio e na África e o G20 (grupo que reúne as 20 maiores economias do mundo) foram ser debatidos.

O presidente do Conselho Europeu Van Rompuy, o comissário do Comércio, Karel de Gucht, e outros ministros do governo brasileiro também participam do evento.

A presidente e os representantes da União Europeia assinaram acordos de cooperação nas áreas de agricultura, ciência e tecnologia e inovação.

De acordo com o MRE (Ministério das Relações Exteriores), os participantes deverão tratar também de temas birregionais, inclusive o andamento das negociações para um acordo de associação "Mercosul–União Europeia" e analisarão os avanços obtidos pela parceria estratégica Brasil–União Europeia, estabelecida em 2007.

A reunião poderá representar um aprofundamento nas ações de cooperação bilateral em áreas como ciência, direitos humanos, educação, inovação e tecnologia. Apenas no programa "Ciência sem Fronteiras", dos quase 18 mil bolsistas, mais de 11 mil foram enviados para instituições europeias.

O Brasil é o nono maior parceiro comercial do bloco europeu e os países-membros da União Europeia investiram cerca de US$ 36 bilhões no país no ano passado e o quinto maior investidor direto na UE.



Fonte: uol.com.br




POLÍTICA

15/01/2013


São Paulo terá Virada Esportiva todo fim de semana, diz secretário

Secretário dos Esportes diz que 31 pontos da cidade receberão projeto. Celso Jatene pretende criar o 'cartão do idoso' nas academias da cidade.

Com a missão de popularizar o esporte na cidade de São Paulo, o novo secretário municipal de Esportes, Lazer e Recreação, Celso Jatene, assumiu a pasta no primeiro dia do ano e disse em entrevista ao G1 que pretende implantar o “Revirando a Virada” em São Paulo, uma espécie de Virada Esportiva que vai ocorrer todos os fins de semana em vez de uma vez ao ano.

A proposta inicial prevê que o “Revirando a Virada” ocorra nos 31 pontos mais populosos da cidade, provavelmente um em cada subprefeitura, em um lugar que tenha o mínimo de infraestrutura já existente e aparelhos disponíveis. “Pode ser em um CEU ou Clube Escola, em um parque ou em uma praça. A gente vai usar esse modelo da Virada Esportiva permanentemente nos finais de semana. Começa no sábado de manhã e terminar só no domingo à noite”, disse Jatene em entrevista concedida em dezembro. Os monitores podem ser da própria administração municipal ou iniciativa privada. Ainda não há data definida para o início do programa.

“Nós vamos revirar a Virada Esportiva”, afirmou o secretário. Criada em 2007, na gestão do ex-prefeito Gilberto Kassab (PSD), a Virada Esportiva é um evento organizado anualmente pela prefeitura que conta com uma programação variada, que inclui esportes radicais, em todas as regiões da cidade.

Ele diz que a parceria com a iniciativa privada será um dos trunfos da nova gestão para a implantação de novos projetos. Jatene pretende fazer acordos com as pequenas e grandes academias da cidade para conseguir mão de obra disponível. “Para que as academias possam fazer um trabalho social nos fins de semana levando equipamentos e professores até os bairros mais populosos da nossa cidade”, conta.

Outra medida que a Prefeitura pretende implantar, com o auxílio das academias e da Secretaria da Saúde, é o cartão do idoso. “A ideia é que as academias possam receber um valor simbólico para abrir as portas para que os idosos possam cuidar da saúde”, conta. Como contrapartida, a administração municipal estuda a isenção do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) para as empresas que aderirem ao programa.

Os clubes esportivos também estão na mira da Prefeitura. Com a ampliação dos centros olímpicos da capital paulista, promessa na campanha eleitoral de Haddad, a busca é por profissionais qualificados para trabalhar nessas novas unidades.

“Pretendemos ampliar a quantidade de centros olímpicos na cidade: tanto social como centro olímpico de ponta”. Alguns dos 46 Clubes Escolas e o Parque Esportivo dos Trabalhadores (antigo CERET) devem passar por reformas para virar em centro olímpico para a população, segundo o secretário. No Clube de Regatas Tietê, que foi desapropriado após não quitar suas dívidas com a Prefeitura, haverá um centro voltado aos profissionais de alto rendimento.

Fonte: g1.com.br




POLÍTICA

03/01/2013


Alckmin dará início à reforma do secretariado na próxima semana

Governador de SP vai mexer em pastas para reacomodar aliados que devem apoiar sua reeleição em 2014; Agricultura, Justiça e Saúde estão entre as cotadas para mudar.

O governador Geraldo Alckmin (PSDB) afirmou nesta quinta-feira, 3, que dará início à reforma de seu secretariado na semana que vem. O tucano pretende fazer alterações nos comandos de pastas de seu governo para acelerar a execução de projetos estratégicos e reacomodar partidos aliados que devem apoiar sua reeleição, em 2014.

Alckmin deverá indicar novos ocupantes de gabinetes ocupados por secretários interinos (Desenvolvimento Metropolitano e Desenvolvimento Econômico) e nomear chefes de outras pastas. Entre as secretarias cotadas para fazer parte da reforma estão Agricultura, Turismo, Justiça e Saúde.

O governador também afirmou que a Secretaria do Planejamento será a pasta responsável por fazer o monitoramento dos principais projetos e obras do Estado, além da execução orçamentária do governo.

"Hoje cedo, tivemos uma reunião com a Secretaria de Planejamento sobre saneamento básico - água, esgoto, programa Água Limpa, Parque Várzeas do Tietê... É a Secretaria de Planejamento que vai fazer a parte de acompanhamento de projetos e execução orçamentária", disse o governador paulista.

Alckmin também afirmou que pretende se reunir ainda este mês com o senador mineiro Aécio Neves para discutir a candidatura do PSDB à Presidência da República, em 2014. Líderes do partido, como o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, defendem que Aécio seja o candidato da sigla. O governador defendeu, no entanto, que a decisão só seja tomada no fim de 2013.

"Acho que é hora de os pré-candidatos se apresentarem, percorrerem o País, falarem à sociedade, discutirem os temas de interesse nacional e convencerem o partido. A definição de nome, nós defendemos mais no final do ano. Não há razão para escolhermos candidatos dois anos antes", afirmou.

Fonte: g1.com.br